O Palotinense - Palotina Notícias

MENU
Logo
Sábado, 15 de agosto de 2020
Publicidade
Publicidade

Paraná

Formação de novo ciclone no Paraná deixa Defesa Civil em alerta

Os ciclones extratropicais são resultado de um sistema de baixa pressão atmosférica que se forma sobre o oceano e se aprofunda na superfície

Imagem de capa
A-
A+
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

Uma semana depois de um ciclone extratropical atingir o Sul do País e trazer muitos estragos para o Paraná, o Estado fica novamente em alerta com a previsão de que o mesmo fenômeno se repita entre esta terça-feira (7) e quarta-feira (8). Nos eventos severos da semana passada, 83 municípios do Estado registraram estragos e 1,8 milhão de unidades consumidoras foram alternadamente afetadas pelo corte de energia elétrica — 38% do total de unidades consumidoras atendidas pela Copel. Muitas ficaram dias sem o retorno da energia.

Porém, desta vez os transtornos podem ser menores, já que o ciclone que se forma no Oceano Atlântico, entre o litoral do Rio Grande do Sul e o do Uruguai, é menos intenso, diz o Simepar. “A frente fria atinge principalmente a metade Sul do Estado, desde o Litoral até a Região Oeste. A previsão para o Paraná é de chuvas moderadas nessas regiões, acompanhadas de raios e ventos entre 50 km/h e 60 km/h, talvez algumas rajadas mais fortes, mas sem chegar aos 100 km/h como na semana passada”, explica o meteorologista do Simepar, Reinaldo Kneib.

Passado o temporal, a previsão é de mais frio para o Paraná no fim da semana, com possibilidade de geada entre a quinta-feira e a sexta-feira na Região Metropolitana de Curitiba e em outros municípios por onde a frente fria passar.

Os ciclones extratropicais são resultado de um sistema de baixa pressão atmosférica que se forma sobre o oceano e se aprofunda na superfície. O desta semana vem associado de duas frentes: uma fria, que atinge o Estado, e outra quente, que se desloca para o oceano. “Esses fenômenos acontecem todo ano e são mais fortes nesta época”, afirma Kneib.

Estragos
De acordo com a Coordenadoria Estadual da Defesa Civil, o temporal de semana passada afetou aproximadamente 27 mil pessoas em 83 municípios. Uma pessoa morreu e 11 ficaram feridas. Cerca de 5,3 mil casas foram danificadas e 10 destruídas. A queda de árvores e postes na rede de energia também deixou cerca 1,8 milhão de pessoas sem luz, além de afetar o abastecimento de água.

Em Curitiba o balanço da Coordenadoria Municipal de Proteção e Defesa Civil apontou que foram registradas 632 solicitações para corte de árvore ou galhos grandes, por toda a cidade, e 77 destelhamentos no ciclone de semana passada. Guardas municipais prestaram o primeiro atendimento, nas mais diversas regiões, e agentes de trânsito ajudaram nas orientações aos motoristas.

Como agir antes, durante e após um temporal

Antes da chuva

  • Deve-se manter calhas e bueiros limpos para prevenir o risco de entupimento durante o período da chuva
  • Quando for possível, o ideal é adiar a saída de casa, a pé ou de carro, durante o temporal

Durante a chuva

  • Quem estiver em casa deve retirar aparelhos elétricos da tomada, para evitar risco de curtos-circuito ou até de um princípio de incêndio
  • Enquanto houver descarga elétrica, a orientação é que se evite o uso de aparelhos como telefone celular (principalmente se conectado à tomada), batedeira, chuveiro e secador
  • Se a água começar a subir ou entrar dentro de casa, o ideal é colocar os móveis em uma superfície elevada, além de retirar alimentos e documentos das prateleiras mais baixas
  • Na rua, os motoristas devem redobrar a atenção: os faróis devem ser ligados e a velocidade diminuída
  • Se perder a visibilidade por causa da chuva, o motorista deve parar o carro no acostamento, evitando ficar embaixo de árvores e em postos de gasolina
  • Em caso de alagamento deve ser observado o nível da água: o limite é no meio da roda do carro. Se aumentar, a pessoa precisa parar o carro assim que possível

Após a chuva

 
  • Quando a chuva passar, é indicado que o indivíduo faça a limpeza de utensílios, objetos e cômodos que tenham entrado em contato com a água. Assim, evita-se doenças
  • A Defesa Civil orienta que pedestres e motoristas não passem por cima de áreas alagadas
  • Em uma emergência ou se tiver dúvidas, o cidadão pode ligar para o telefone de emergência 199 da Defesa Civil. Para retirada de árvores da via pública, o contato é a Central 156 de Atendimento ao Cidadão

Fonte/Créditos: Bem Paraná

Comentários:

Envie sua mensagem, estaremos respondendo assim que possível ; )